É o que me calhou.

Houve um tempo em que eras um rei no meu mundo. Um rei, que fazia de mim uma princesa pequenina em horas de alegria. Essa era chamou-se ingenuidade, sendo fictícia ao mesmo tempo que me acompanhava a realidade. Hoje, se pudesse, agarrava em ti e em toda essa superioridade doentia, e punha-te a milhas! A quilómetros daqui, a países de distância. Ausentava-te anos luz, sem regresso. Fazia a tenra fineza de te comprar o bilhete se necessário, e ainda fazia um cartão de despedida.Tudo, desde que desaparecesses! Longe de mim e da minha querida mãe, que sempre se privou de tudo para me poder dar o que devia, o que merecia, e ainda luxos que sabia que eu queria. Sempre deixei andar, até me aperceber da situação. Tu que exiges de mim respeito, por ser filha tua. Tu que exiges compreensão quando nem sequer a ouvir os outros te dignas. Tu, que és a maior besta à face de tudo o que Deus criou, que és o único de quem não queria ter ligação de sangue, e sou obrigada a isso. Tu, que te fazes chamar de pai, e no entanto nunca me sustentaste, nunca me apoiaste, nunca sequer me ouviste. Tudo o que fazes é foder-me a vida, directamente e indirectamente quando fodes a da minha mãe! É negares-me um único tostão, por dizeres que já tenho dezoito anos, já me posso sustentar sozinha. Recusas a pagar-me seja o que for, desde roupa às propinas. Dizes que me viram contra ti. Será preciso ? A mim parece-me que fazes tudo tão bem sozinho. Amor por ti não tenho, nenhum! À minha mãe, porém, tenho-lho todo! Desde aqui, dando a volta a toda a galáxia existente. Ela, que sempre me deu tudo o que pode e não, me levou ao médico mesmo andando comigo ao colo durante quilómetros porque tu estavas bêbado demais para conduzir. Ela, que sempre me educou e apoiou, me ensinou a não mentir, a não roubar, a não ser egoísta e safar-me sozinha. Foi ela que fez de mim mulher, e não tu. Não tu que te dizes meu pai. Tu, por mim, nunca nada fizeste. Nem à escola me recolhias quando chovia a potes. Não, eu que viesse a pé para casa. Até os meus tios, são mais pais que tu. Não todos, mas aqueles dois com quem cresci, aqueles dois que sempre me deram tudo o que a minha mãe não podia, tudo o que tu não querias. Aqueles dois que me deram amor e carinho desde que nasci, que me cuidaram como se sua fosse, que me levaram onde fosse necessário só para que fosse feliz. Os tios e a minha Grande Mãe. É a eles que devo respeito, é a eles que tenho amor. Para ti ? Nada mais tenho se não pena.
Tanta boa gente a morrer, e tu ainda cá andas.
A morte bate à porta de tantos, mas deve ter perdido a tua morada.
E acredita que me sinto mal por quase te desejar tanto mal :|

45 Crimes sentidos:

lara disse...

sabes mesmo metendo-o a países a milhas ele estaria perto, muito mais do que pensas, não te esqueças que a terra é redonda. o melhor a fazer é ignorar, aprender a viver com presenças destas..

Moreira disse...

Sem palavras...muito sentimento neste texto...Força...eu sei que é complicado estas situações...:(

Herético disse...

êê revolta :b

adoro a musiquinha

Ariana Fonseca. disse...

A vida é injusta, mesmo. Força *

daniela disse...

que forte :/

Catarina Santos disse...

ofereço-te o selo oficial do meu blog

Adriana Cunha disse...

Que texto forte :s

Fabiana disse...

Não há palavras que te possa dizer a não ser força e que vai tudo ficar bem. É um cliché eu sei, mas pronto.
Beijinho *

Rute disse...

Tá forte, mas eu gosto disso !
Lindo

MissGummyBear disse...

Que texto tão cheio de sentimento, ficamos sem palavras perante ele. Mas não podia deixar de comentar, é demasiado bom.

Rute disse...

Obrigada minha lindona

Isabel disse...

Escreves lindamente (:

a extensão do pensamento. disse...

É tão mau quando os filhos têm de pagar pela falta de carácter dos pais (do pai, neste caso).

Ritinha disse...

que texto :s
mas a músicaaa *.*

souokiko disse...

I'm here , you know :')

Adriana Cunha disse...

obrigada Marilena (:

Alexandre. disse...

Que texto tão expressivo e lindo !
E que história de um amor tão grande (:

Margarida disse...

Pensava que só o meu pai era assim... Mas afinal ha mais 'seres' desta especie :x

filipa disse...

tens de ter força pequenina <3

Gabriela Marques disse...

O texto esta super forte, consegui sentir tudo o que vc tentou mostrar. Sinto dizer que algumas pessoas não servem para ter filhos, a vida é injusta, eu sei.

Passei aqui pra dizer que tenho um meme para você no meu blog, gosto muito daqui então te indiquei. Beijos!

Lucy disse...

tão sentido :\
infelizmente esta é a verdade de muita gente

daniela disse...

mas é mesmo linda, não é? *.*

danó disse...

adoreiii Marilena +.+

lá love disse...

também danças? :o

Alexandre. disse...

Desafio no meu blogue <3

Sara Santos disse...

que forte.

pinguim disse...

pena é o último dos sentimentos.

Lucy disse...

em todas as regras há excepção.
acho que aquela frase tem um fundo de verdade :)

jo disse...

estou sem palavras Marilena!
Muito forte!

Mel disse...

dizes tanta verdade.

Gu Paiva disse...

Aaaaah! Me arrepiou. Escolha perfeita de palavras. Sentimentos transbordando! E é isso que devemos ter a quem não sabe dar valor: pena. Ou nem isso, melhor seria a indiferença.
Lindo teu espaço!

Gu Paiva disse...

Ai, não sei se o comentário foi. D:

joaninha' disse...

quando a raiva aparece as palavras tornam-se incontrolaveis e o sentimento impera.
(adoro a musica mas... quem nao adora?!)

sónia disse...

oh meu deus, que texto. :s

Patricia disse...

é sem dúvida um dos textos mais fortes e mais verdadeiros que já li. o teu blog tá tao tudo :)*,adoro mesmo.

Esperanças desvanecidas ; disse...

Selo e/ou desafio para ti, no meu blogue.
Aproveita o meu selo oficial *

. danny ♥ disse...

tem calma , mesmo que a raiva que sintas por ele seja forte, nao se deseja isso a quem quer que seja .. :s

Annie disse...

Compreendo a tua dor, mágoa, ou talvez revolta.. mas acho que apesar de tudo, nao devemos desejar mal aos outros.. simplesmente ignora-los e esquecer se conseguirmos. Muita força *

MÓNICA disse...

selo para ti :)

Diogo F.M disse...

:O
falas dos meus textos?
escreves com sentimento mari
força, e qlqr coisa :)

Iara disse...

Que intenso!!
Mas deves amar e lembrar dos que sempre estiveram ao teu lado a te dar carinho e compreensão.
Abraços

Eliana Soares disse...

Fortíssimo.
Nem há muito que se possa dizer. Força menina.
Olha segui-te, amei mesmo o blog.
Se qiseres segue me tambem

SofiaBasto disse...

Só te posso felicitar pela maneira como escreves. Não há palavras.

Manuel Luis disse...

Da que pensar! Mais uma vez confirmo que alguns homens são machistas e só pensam neles. Como é possível desprezar uma menina? Continuam a fazer filhos, com isto é que me revolto! Mas não morrem!? Não se recomenda este tipo a ninguém.
Li e reli alguns temas que estão muito bem redigidos, mostra que sabe escrever mas não é uma pessoa completa e tem faltas como o ser humano que ama.
Beijo para si e outro para a sua Mãe.

Angélica Dinis disse...

Sabes é incrível, sempre pensei que à 5 anos (feitos dia 18 de Dezembro deste ano) eu estaria sozinha e que teria que mostrar a grande mulher que sou à grande mulher da minha vida que seria capaz de lutar pelas nossas vidas, se eu queria que continuássemos vivas, que teria de dar uma grande volta nas nossas vida. E assim conseguimos e hoje estamos muito mas muito melhor do que estávamos...
Contei-te a minha história naquele sábado que estivemos juntas em Coimbra, e deu-me para perceber que temos uma história muito parecia...sabes na altura que tudo isto aconteceu fiquei sem amigos nenhuns, não tinha ninguém que considerava amigo que me ajuda-se nem que fosse apenas com umas palavras de conforto e força, tinha apenas algumas pessoas da família e o meu namorado, a quem devo muito que me ajudaram tanto... Perdi todos os que pensava que eram realmente amigos... É nestas alturas que se vê mesmo quem são os amigos e com quem podemos contar...
Naquela altura como eu teria adorado ter uma amiga como tu. Ter uma pessoa como tu, a quem pudesse chamar 'amiga' e ainda por cima com uma história parecida teria-me feito muito bem, teria ajudado-me tanto...eu sei o que tu deves sentir...mas eu sinto que justiça ainda esta para acontecer, já que não foi por tribunal, foram muitos anos de violência doméstica, por isso é que eu sou contra a violência doméstica e digo sempre para nenhuma mulher permitir que alguém, um homem, lhe levante a mão para lhe bater.
Mas eu relação ao homem a quem dizem 'é teu pai' ele também fazia algumas coisas dessas que nomeaste,como tirar-me a comida da frente para ele comer, se eu quisesse teria que comer outra coisa, como dizer-me nos meus olhos 'não sou teu pai', 'não quero saber mais de ti', quando eu só lhe ia pedir uma assinatura, entre mil e uma coisas, que nem ao pior inimigo se dizem. A minha vida enquanto vivi com o meu pai dava um grande filme mesmo. Ele nunca quis saber de mim, a grande mulher da minha vida é que nunca me deixou e quis sempre saber de mim. Ainda este verão passou ao meu lado, relativamente a centímetros e ignorou-me como se faz a um cão que desconheces no meio da rua...
Fugi de casa para garantir que a minha mãe ficaria viva, senão ela naquele dia, 18 de Dezembro, teria morrido, ele matava-a sem pensar duas vezes.
Educação devo, porque foi isso que a minha mãe me ensinou, agora respeito e orgulho não me peçam isso, nem isso nem para mencionar o nome dele...
É incrível como na altura pensava se seria a única pessoa a passar por isto e se merecia...

Enviar um comentário

Liberta a tua mente e deixa que o pensamento te leve palavras aos dedos, partilhando assim comigo ideias, questões e críticas, não deixando nada omitido.
Obrigada pela tua leitura atenta: